Descendentes de Antônio Carvalho Pereira

Info. Históricas


330. Dr. Samuel Libânio

Dr. Samuel Libânio, médico, nascido em Pouso Alegre aos 29/08/1881 e falecido no Rio de Janeiro aos 02/09/1969, casou-se com sua prima Margarida Angélica Gomes Brandão, nascida em Santa Anna do Sapucahy aos 04/03/1886, filha de Theodoro Augusto de Almeida Brandão e Améllia Augusta Gomes Teixeira. Muito contribuiu para a estruturação dos serviços de higiene no Estado de Minas Gerais, onde foi secretário de governo. Foi um dos fundadores da Faculdade de Medicina de Belo Horizonte, onde foi lente catedrático. Ocupou vários cargos de destaque na área federal e instalou o hospital regional de Pouso Alegre, que leva atualmente o seu nome.


Dr. Eurico de Azevedo Villela

Dr. Eurico de Azevedo Villela, nascido em Terezópolis - RJ aos 10/09/1883 e falecido a 08/03/1962, casou-se com Maria José Libânio, nascida em Pouso Alegre aos 04/08/1886. Eurico de Azevedo Villela após concluir o curso na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, passa a clinicar no interior paulista. Em 1912, torna-se pesquisador do Instituto Oswaldo Cruz, incorporando-se ao grupo que investigava a tripanossomíase americana em Lassance e em Manguinhos. Suas pesquisas trazem importante contribuição aos conhecimentos clínicos sobre a forma cardíaca da doença de Chagas. Em 1922, Villela publica em parceria com Chagas um trabalho em que, entre as múltiplas manifestações clínicas referentes às formas crônicas da tripanossomíase americ, são destacadas as perturbações do ritmo cardíaco, atribuídas às lesões causadas pelo T. cruzi no miocárdio. Chagas e Villela afirmam que essa condição da doença, generalizada nas zonas endêmicas e aí observada com intensidade e extensão máximas, constitui a característica clínica por excelência da tripanossomíase americana. A colaboração entre Eurico Villela e Carlos Chagas ultrapassa o domínio dos estudos sobre a tripanossomíase americana. Durante a gestão de Chagas como diretor do Instituto Oswaldo Cruz (1917-1934), Villela chefia a Seção de Medicamentos Oficiais do Instituto e atua diretamente na organização do Hospital Oswaldo Cruz, destinado a promover estudos clínicos sobre a tripanossomíase americana e outras doenças endêmicas do país. Em 1923, integra a delegação brasileira, chefiada por Chagas, que participa das comemorações do centenário de Louis Pasteur na França, sendo de sua responsabilidade organizar a participação do Instituto Oswaldo Cruz na Exposição de Higiene realizada em Estrasburgo. No período em que Chagas dirige o Departamento Nacional de Saúde Pública (1920-1926), Villela o auxilia na criação da Escola de Enfermagem Anna Nery e do Hospital São Francisco de Assis, do qual é o primeiro diretor. Villela destaca-se ainda nos trabalhos que realiza em Belo Horizonte. Designado, em 1915, para a filial do Instituto Oswaldo Cruz nessa cidade, funda o posto antiofídico, trabalha na fabricação do soro escorpiônico e cria ambulatórios para o estudo clínico das endemias rurais. Além de desenvolver atividades de pesquisa, Eurico Villela dedica-se também ao ensino médico. Professor de Patologia Geral da Faculdade de Medicina de Minas Gerais e assistente de Chagas na cátedra de Doenças Tropicais e Infecciosas da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, assume interinamente essa cadeira após a morte de Chagas em 1934. Em 1940, é nomeado diretor do Curso de Saúde Pública do Instituto Oswaldo Cruz. Entre os seus trabalhos sobre a tripanossomíase americana, destaca-se: CHAGAS, Carlos; VILLELA, Eurico. Forma cardiaca da trypanosomiase americana. Memorias do Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, v.14, n.1, p.5-61, 3-54, 1922.