Descendentes de Francisco Lobo Rios

Info. Históricas


José Leoni Iório

AUTO-BIOGRAFIA

José Leoni Iório, filho de José Iório e de Silvéria Leoni Iório, nasceu em Valença (RJ), em 31 de agosto de 1899. Fez o curso primário em Valença, bem como os preparatórios, no extinto "Atheneu Valenciano", submetendo-se aos exames finais do Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro. Quando ainda estudante, fundou em 1915, o jornal "O Lynce", de pequeno formato, dedicado à juventude valenciana. Em 23 de dezembro de 1918, concluiu o curso ginasial na "Academia de Comércio" de Juiz de Fora (MG). Em 1919, fez parte do corpo cênico do Grupo Dramático Artur Azevedo, em Valença.

Em 1920, matriculou-se na tradicional Escola de Farmácia de Ouro Preto (MG), diplomando-se em 5 de dezembro de 1923. Retornando à Valença, naquele mesmo ano, foi um dos fundadores do Clube de Escoteiros, onde ocupava a função de secretário. Como amador da arte dramática, escreveu e publicou as peças teatrais "Tudo pela Pátria" - esta, em 1920, quando estudante em Ouro Preto - e "Amores de Jeca Tatu". Escreveu e encenou as revistas musicais "Valença em Tiras" e "Princesa da Serra", esta última no ano de 1929. De 1926 a 1928, assumiu a direção do "Correio de Valença", órgão dedicado aos interesses políticos daquela cidade, tendo exercido nesse mesmo espaço de tempo, as funções de Escrevente juramentado do Cartório de Registro Civil. Em 15 de agosto de 1928, fundou e assumiu a direção do jornal "Valença", de grande formato, impresso nas oficinas do antigo "O Paiz", do Rio de Janeiro. Em janeiro de 1929, fundou e dirigiu, por algum tempo, o "Jornal de Valença". Nos anos de 1926 e 1927, foi Escriturário da E.F.C.B., e de 1928 a 1930, Inspetor Federal, por nomeação, do Ginásio Valenciano São José.

Na qualidade de Secretário da Venerável Irmandade de N. S. da Glória de Valença, organizou e publicou, em 1936, o "Boletim", comemorativo ao 1o Centenário da referida Irmandade. Naquele mesmo ano, foi nomeado Secretário da Prefeitura de Valença, exercendo, simultaneamente, a função de Oficial da Secretaria da Câmara Municipal, até 1937, quando, então, passou a ocupar o cargo de Escriturário da Diretoria de Fazenda. Em 1939, foi designado para exercer o cargo de Agente Municipal de Estatística, tendo sido posto, pela Prefeitura de Valença, à disposição do I.B.G.E., a partir de 1945. Em 15 de novembro deste mesmo ano, torna-se um dos fundadores do Grêmio Dramático Artur Azevedo.

Foi correspondente de "A Noite", do Rio, em Valença.

Em 13 de setembro de 1947, prestou concurso instituído pelo I.B.G.E., tendo-lhe sido confiada a direção da Agência Modelo de Estatística de Barra do Piraí, a qual, assumiu em 1948, quando transferiu-se, em definitivo, para Barra do Piraí.

Em 1953, sob o patrocínio do "Jornal de Valença", e "Associação Comercial de Valença", publicou a obra histórica intitulada "Valença de Ontem e de Hoje", de 400 páginas, trabalho que mereceu aplausos da crítica - o que lhe valeu a designação de membro correspondente da Academia Fluminense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais. O "Boletim", da referida Academia, publicou o seguinte registro: "A 12 de outubro de 1954, foi escolhido membro-correspondente, Leoni Iório, fluminense, autor do livro "Valença de Ontem e de Hoje". É a história de sua terra natal. Sua obra foi debatida e unanimemente elogiada".

Ao mesmo tempo, vinha se dedicando a uma segunda obra, "Terceiro Barão do Rio Bonito", que foi totalmente concluída em 1954, porém, jamais publicada, e que enfoca a história de Barra do Piraí e de seu fundador.

Em 17 de dezembro de 1955 passou a ocupar a cadeira No. 35, da Academia Valenciana de Letras, patronímica de Lúcio de Menezes Drumont Furtado de Mendonça, fundador da Academia Brasileira de Letras.

Por ato do Prefeito Municipal de Barra do Piraí (RJ), em 1 de janeiro de 1959, após concluir o Curso de Suficiência do MEC, em Petrópolis, foi designado para lecionar Ciências Naturais e História Natural, nos cursos ginasial e científico, do então Colégio Municipal Nilo Peçanha.

Ocupou o cargo de "Oficial de Gabinete" do prefeito João Antônio Camerano, tendo permanecido até o final da gestão do mesmo, em 1964.

Desde o final da década de 50 até o fim dos anos 70, colaborou, indistintamente, para os jornais "Centro-Sul" e "Correio da Barra", em Barra do Piraí, mantendo uma coluna assinada com o pseudônimo de "João do Vale", onde, na condição de jornalista e historiador, dissertou inúmeras vezes, sobre a história de Barra do Piraí.

No início da década de 60, faz nova incursão pelo Teatro amador, desta feita, dirigindo grupos de atores residentes em Barra do Piraí e Santanésia. Uma das peças levava o nome de "O Filho do Sapateiro", e foi encenada no Barra Tênis Club.

Em 1963, Leoni Iório aposenta-se do cargo de chefia da Agência do IBGE de Barra do Piraí.

Por ato, do Governador do Estado do Rio de Janeiro, de 16 de outubro de 1967, foi considerado Professor Regente do ensino secundário, em caráter efetivo, do atual Colégio Estadual Nilo Peçanha, de Barra do Piraí, onde, nas funções de Coordenador Geral, foi aposentado pelo Ato de 8 de outubro de 1969, tendo sido, na mesma época, homenageado com o título de "Benemérito", pela Associação de Pais e Mestres daquele Colégio.

Em novembro de 1974, foi nomeado "Farmacêutico Responsável" pelo Hospital Cruz Vermelha de Barra do Piraí, tendo lá permanecido até outubro de 1983, função essa, acumulada com a que já exercia pela Farmácia Brasil de Valença.

No ano de 1976, recebia o Título de Cidadão Barrense pela Câmara de Vereadores.

No dia 1 de fevereiro de 1977, é convidado a exercer a função de "Chefe de Gabinete" do então Prefeito Municipal de Barra do Piraí, Sr. Eduardo Sym e, não obstante, o falecimento deste 1 mês após a posse, passou a ocupar o cargo de "Oficial de Gabinete", em 02 de janeiro de 1978, a convite do novo prefeito, Sr. Nicéas Maia, até a data de 31 de julho de 1979, quando então, solicitou exoneração definitiva da função.

Em 1983, foi homenageado em sua terra natal, tendo sido agraciado com o título de "Cidadão Benemérito de Valença", pela Câmara Municipal. Ainda em 1983, recebeu uma medalha de "Honra ao Mérito", da Academia Valenciana de Letras, pelos 30 anos de lançamento do livro "Valença de Ontem e de Hoje".